Autoconhecimento e Processo Seletivo: 3 filmes pra você entender essa relação


03/05/2018
Por Cia de Talentos

Arte, diversão ou entretenimento. Existem diversas formas de enxergar o cinema, mas uma delas está presente em praticamente todas as obras: a capacidade de nos fazer viver as histórias. Afinal, somos seres contadores e “escutadores” de histórias desde os primórdios da humanidade e não é difícil se pegar discutindo se Jack (Leonadro DiCaprio) caberia na porta junto com a Rose (Kate Winslet), em Titanic (1997), ou quais decisões você tomaria se vivesse no universo de Uma Noite de Crime (2013). Sejam fictícios ou reais, é comum nos envolvermos com o enredo e o desfecho de um filme que gostamos.

Essas histórias muitas vezes podem servir de inspiração ou nos causar sensações como suspense e horror. Podem ser tramas engraçadas ou dramáticas. Reais ou fantásticas. Mas há aquelas que vão além e transcendem o limite do imaginário, fazendo-nos refletir sobre quem somos e mentalmente nos virando do avesso. É uma espécie de divisor de águas entre quem éramos antes de assistir à obra e quem nos tornamos em seguida. E não tem filme certo ou errado para isso, pois cada espectador interpreta da sua maneira.

De forma geral, esses filmes naturalmente promovem reflexões do tipo “quem sou eu, para onde vou e como me desenvolvo?”. Pensamentos totalmente ligados ao ato de se conhecer, ou como falamos com frequência em RH, autoconhecimento. Este é basicamente um comportamento fundamentado em entender a si mesmo com o objetivo de tomar decisões melhores, em qualquer aspecto. E quando falamos de processo seletivo, relaciona-se diretamente com questões como: em quais programas se inscrever, que empresas e áreas considerar, e o conhecido “será que eu tenho perfil?”.

Pensando em ajudar você, querido(a) leitor(a), listamos 3 filmes que relacionam aspectos como autoconhecimento, perfil e processo seletivo. #Partiu?

 
1) Na Natureza Selvagem (Into the Wild) – 2007

Você está cursando faculdade? Já concluiu? Quais são seus planos a partir de agora? Se não terminou, o que pretende fazer depois de se formar?

Baseado na história real de Christopher McCandless (interpretado por Emile Hirsch), o filme retrata um jovem de família próspera que respondeu a essas perguntas da maneira mais direta possível: após se formar teve a atitude de doar todo seu dinheiro para a caridade, mudou de nome e passou a viver longe da sociedade.

Com o objetivo de chegar ao Alasca visando se desconectar totalmente do mundo em que vivemos, foge da casa na qual morava com seus pais para viajar sozinho. No caminho, vai se desfazendo de tudo que ainda o prende, como seu carro e o dinheiro que levou consigo.

A história é uma lição de sobrevivência e mostra a indignação de McCandless com as pessoas e com o rumo tomado pelas relações sociais “de interesse”. A partir daí, é possível afirmar que sua decisão principal foi buscar se conhecer melhor, pois não tinha o “perfil” para a vida que levava. Parece até que estamos falando de processo seletivo, não é mesmo? Na verdade, o filme retrata uma falta de aderência muito mais séria que culmina na aventura do protagonista.



2) O Primeiro da Classe (Front of the Class) – 2008

Outra obra baseada em uma história real. Pode ser que você nunca tenha ouvido falar desse filme, mas garanto que será uma sessão pipoca emocionante.

Principalmente pela atuação impecável de James Wolk na pele de Brad Cohen, um professor que convive com a Síndrome de Tourette desde os 6 anos de idade. Tal condição se manifesta na forma de tiques, ou seja, movimentos e falas repetitivas e involuntárias.

Tendo sofrido bullying desde a juventude, o protagonista percorre sua trajetória de vida rumo à carreira acadêmica. Tentou conseguir emprego em 25 escolas, mas foi reprovado em 24 delas – note a ligação com os processos seletivos. A escola que o aceita passa a se adaptar ao estilo de aula do professor e ele se sente cada vez mais aceito na sociedade. Novamente podemos identificar o encaixe ao perfil (o famoso match) como tema central das decisões tomadas por Cohen: ele faria de tudo para se tornar professor.

A evolução da trama e os problemas que a personagem principal enfrenta são exemplos de resistência e coragem. Vale a pena assistir!



3) Os Estagiários (The Internship) – 2013

Finalmente, a história que gira praticamente 100% do tempo em torno de um processo seletivo. Nenhuma lista de filmes com esse tema pode deixar de apresentar Os Estagiários (2013) como exemplo – apesar de o enredo ser exagerado a respeito de como é trabalhar na empresa dos sonhos dos dois protagonistas.

A perseguição pelo estágio durante os 119 minutos do filme coloca Nick Campbell (Owen Wilson) e Billy McMahon (Vince Vaungh) em uma história engraçada e intrigante. O assunto “perfil” permanece vivo durante toda a obra, mesmo que em segundo plano em certos momentos.

Vale assistir ao filme para entender como a seleção de pessoas pode ser mais complexa do que se imagina e, ao mesmo tempo, tornar-se algo totalmente relevante em relação a desenvolvimento e crescimento. Mais do que tentar ser aprovado, os protagonistas deixam claro o aprendizado que tiveram ao longo do desafio. E tudo indica que Educação para a Carreira é algo que estará cada vez mais em alta. Portanto, mãos à obra rumo ao autoconhecimento!

Yvo Rafael
Administrador e corinthiano roxo, sou consultor da Cia de Talentos há 2 anos. Jovem apaixonado por cinema e amante de carros, pode ser encontrado na Dinâmica de Grupo mais perto de você!